Seção de choque diferencial

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Em uma postagem anterior, Seções de choque, apresentei o conceito de seção de choque como sendo uma medida da probabilidade de colisão entre uma partícula incidente e uma partícula alvo. A seção de choque, embora tenha dimensão de área, pode ser vista como uma medida de probabilidade porque é, de fato, proporcional à probabilidade de colisão. Mostrei que no caso de termos uma camada de partículas alvo de espessura com partículas alvo por unidade de volume, a probabilidade de colisão com uma partícula incidente é dada por

onde é a seção de choque específica para a colisão entre essas partículas, mesmo no caso em que essas partículas reagem. Embora o conceito de probabilidade seja muito útil, qual é a forma prática de medi-lo no laboratório? A resposta a essa questão explica por que os livros-texto, tipicamente, não definem seção de choque em termos de probabilidade de colisão, mas, sim, em termos de números de partículas detectadas e incidentes. Meu objetivo nesta postagem é fazer a conexão entre o conceito de seção de choque expresso na Eq. (1) acima e a definição usual dos livros-texto.

No laboratório, tipicamente, um feixe de partículas incidentes é caracterizado pela intensidade do feixe, que é o número de partículas, por unidade de tempo e área, que incide sobre uma superfície transversal à direção de propagação do feixe. O número de partículas incidentes que penetra a camada de partículas alvo, de espessura e área transversal ao feixe durante um intervalo de tempo é dado por

Nem todas essas partículas sofrerão colisão com partículas alvo, já que há a probabilidade da Eq. (1), para que haja uma colisão por partícula incidente dentro da camada de partículas alvo. Assim, somente partículas incidentes colidem com partículas alvo. O número de colisões é, portanto,

onde já utilizei as Eqs. (1) e (2).

O número de colisões é medido com detectores que contam quantas partículas são espalhadas na colisão, por unidade de tempo. Aqui estou supondo que os detectores são ideias e, portanto, todas as colisões são detectadas, isto é, a eficiência da detecção é Assim, no laboratório a quantidade medida é e, da Eq. (3), segue que

Agora, como há partículas alvo na região de interação com o feixe incidente, da Eq. (4) segue que o número de colisões detectadas por partícula alvo, por unidade de tempo, é dado por

A Eq. (5) mostra que a seção de choque é dada em termos do quociente entre o número de colisões detectadas por partícula alvo, por unidade de tempo, e a intensidade do feixe incidente:

A Eq. (6) pode ser usada como a definição operacional de seção de choque, já que e são quantidades diretamente mensuráveis no laboratório. Mas a Eq. (6) ainda não é a usual definição dos livros-textos, que normalmente define a seção de choque diferencial, como explico abaixo.

Em uma montagem experimental, normalmente não há detectores em todas as direções, continuamente distribuídos, em volta da região de interação entre as partículas colidentes. Tipicamente, o experimento é rodado repetidamente, cada vez com o detector em um ângulo diferente. Depois de cobrir todo o ângulo sólido em volta da região das colisões é que a seção de choque total é computada, através da soma das contagens parciais feitas ângulo a ângulo. Um detector, tipicamente, cobre um elemento de ângulo sólido, e o quociente do membro direito da Eq. (6) é computado dentro de cada elemento de ângulo sólido cada um centrado em uma direção do espaço definida pelos ângulos polares esféricos e Aqui, o ângulo polar, é definido como sendo o ângulo entre a direção das partículas detectadas e a direção do feixe incidente. Geralmente, também, as contagens não dependem do ângulo azimutal, por simetria. Sendo assim, seja o número de partículas detectadas por partícula alvo, por unidade de tempo, dentro do ângulo sólido do detector. A seção de choque diferencial, é definida, então, em analogia à Eq. (6), por

que é a definição normalmente encontrada nos livros-texto [2]. A seguir apresento um exemplo simples do cálculo da seção de choque diferencial.

Considere uma partícula de raio desprezível que colide elasticamente com uma esfera rígida de raio que permanece sempre fixa no mesmo ponto com relação ao referencial do laboratório. Para calcularmos a seção de choque diferencial, de acordo com a discussão do parágrafo anterior, precisamos determinar quantas partículas, por esfera alvo, por unidade de tempo, são detectadas dentro de um dado ângulo sólido Vamos olhar para um particular ângulo sólido, que supomos ser aquele de um detector de partículas espalhadas do feixe incidente. Note que como as colisões são elásticas, então as partículas incidentes, após colidirem, apenas mudam de direção, mas com a mesma energia cinética que tinham antes da colisão, supondo, é claro, que a esfera rígida fique sempre fixa no mesmo ponto. Vou escolher um sistema de coordenadas tal que o feixe incidente seja ao longo do sentido negativo do eixo e que a esfera rígida esteja centrada na origem. A Fig. 1 abaixo ilustra o ângulo sólido coberto pelo detector, que deve estar posicionado a uma distância que é muito maior do que o raio da esfera alvo:

Fig. 1

Figura 1: Área do detector.

Note que ao ângulo sólido corresponde um elemento de área do detector dado por

O detector, portanto, conta todas as partículas do feixe incidente que, após colidirem com a esfera rígida, são desviadas dentro do ângulo sólido em torno da direção espacial dada pelos ângulos e ilustrados na Fig. 2 abaixo. Então, o ângulo sólido pode ser escrito em termos de e como

Figura 2

Figura 2: Os ângulos e que definem a direção espacial em torno da qual está o ângulo sólido do detector.

Assim, uma partícula incidente com trajetória paralela ao eixo no sentido negativo, com sua trajetória à distância do eixo incide sobre um ponto da esfera alvo e é refletida especularmente. Em outras palavras, a partícula é refletida de tal forma que o ângulo de incidência com a direção normal à superfície da esfera no ponto de incidência é igual ao ângulo da trajetória com a mesma direção normal depois da reflexão. Se a soma dos ângulos de incidência e reflexão, que são idênticos, for igual ao ângulo então a partícula atingirá o detector e será contada, supondo, é claro, que a eficiência do detector seja A Fig. 3 abaixo ilustra essa situação para uma partícula incidente. Note que se a distância mudar, o ângulo de reflexão mudará também.

Figura 3

Figura 3: Trajetória de uma partícula incidente que é espalhada especularmente pela superfície da esfera rígida.

Fica claro da Fig. 3 que a relação entre o parâmetro de impacto e o ângulo de espalhamento é dada por

Como o feixe incidente é ao longo do sentido negativo do eixo então é como se as partículas incidentes estivessem “chovendo” verticalmente sobre a esfera da Fig. 3. A única porção do feixe incidente que realmente pode interagir com a esfera alvo é a que vem diretamente acima da esfera, que é uma porção cilíndrica do feixe incidente, de raio igual ao da esfera alvo, conforme ilustra a Fig. 4 abaixo.

Figura 4

Figura 4: A porção do feixe incidente que efetivamente interage com a esfera alvo.

Para encontrarmos a seção de choque diferencial para as colisões com a esfera rígida, devemos calcular o número de partículas contadas pelo detector por unidade de tempo. Essas partículas são as recebidas dentro do elemento de ângulo sólido compreendido pela área do detector, que é ilustrada nas Figs. 1 e 2. As partículas espalhadas dentro dos intervalos e são as que o detector conta. Em termos do parâmetro de impacto essas são as partículas que incidem no intervalo onde é dado pela diferencial da Eq. (10), isto é,

e com ângulos azimutais também no intervalo conforme ilustra a Fig. 5 que segue.

Figura 5

Figura 5: Elemento de área transversal do feixe incidente que, após o espalhamento, corresponde ao ângulo sólido do detector.

Note na Fig. 5 que o elemento de área transversal, do feixe incidente que corresponde, após o espalhamento, ao ângulo sólido do detector é dado por

O número de partículas que passa pelo elemento de área por unidade de tempo é, portanto, dado por

já identificando esse número como o de partículas detectadas por unidade de tempo pelo detector. Das Eqs. (10), (11), (12) e (13) segue que

isto é,

Substituindo a Eq. (14) na Eq. (7) resulta na seção de choque diferencial:

Substituindo a Eq. (9) na Eq. (15) dá

isto é,

Note, finalmente, que a integral sobre todo o ângulo sólido de da Eq. (15) resulta na seção de choque total clássica para a esfera rígida:

conforme eu já havia calculado na postagem Seções de choque.

Referências

[1] Nuclear Reactions. Some Basics, por Demetrius J. Margaziotis.

[2] Keith R. Symon, Mechanics , terceira edição (Addison Wesley, 1971).

😎

Música desta postagem: Three Romances Op. 28, No. 2 ‘Einfach in F-sharp Major’ de Robert Schumann, por Monica Alianello

Recomendo também a leitura das postagens a seguir:

Uma versão em PDF

Gostou desta postagem? Então clique no botão abaixo e siga o Nerdyard no Twitter! Toda vez que houver uma nova postagem aqui, você saberá imediatamente! :cool:

Siga Nerdyard no Twitter

Melhor ainda: inscreva-se em Nerdyard e receba, por e-mail, o aviso com links para cada nova postagem ou novidade.

Google Groups
Inscreva-se em Nerdyard
Melhor email:
Visite este grupo

NOTE QUE EU ODEIO SPAM COM TODA CONVICÇÃO! :cool:

Dessa forma, não se preocupe: eu juro que jamais fornecerei seu endereço de e-mail ou qualquer outra informação sobre você para ninguém!

Clip to Evernote

2 Comments for Seção de choque diferencial

  1. Fernando Zago said,

    outubro 27, 2013 @ 18:31

    Olá Reginaldo,

    Seria correto então interpretar a seção de choque diferencial como uma grandeza proporcional à densidade de probabilidade de colisão? Onde essa densidade de probabilidade, se escrita como \Lambda (\theta) d\theta, forneceria a probabilidade de ocorrência de uma colisão cujo resultado é uma trajetória com ângulo de espalhamento entre \theta e \theta + d\theta.

    Grato,
    Fernando

  2. reginaldo said,

    outubro 29, 2013 @ 20:11

    Olá Fernando,
    Acho que não há problema algum na sua interpretação. Grato deveras pelo comentário!
    Abraços!

RSS comments feed· TrackBack URI Seção de choque diferencial

Deixe um comentário for Seção de choque diferencial

Editor de Equações (www.codecogs.com/latex/eqneditor.php)

Para entender como utilizar esse editor de equações, clique aqui.