Função de Green para a equação de onda

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

Em uma postagem anterior mostramos que, no calibre de Lorentz, dadas as fontes e , tudo o que temos a fazer para encontrar os potenciais escalar e vetorial é resolver a equação diferencial

onde o par ordenado representa um elemento qualquer do conjunto

And God said, Let there be light: and there was light
“And God said, Let there be light: and there was light”Creative Commons License photo credit: *L*u*z*A*

Queremos encontrar, primeiramente, uma solução particular dessa equação. Para isso, utilizamos a função de Green , que, por definição, satisfaz

Podemos fazer a transformada de Fourier sobre a variável em ambos os membros dessa equação para obter

onde usamos a representação integral da função delta de Dirac, isto é,

e definimos

Como explicaremos mais adiante, ao invés de resolvermos a equação diferencial acima, vamos modificá-la:

onde definimos

que assume valores positivos e negativos, como Podemos agora tomar a transformada de Fourier com relação à variável e obter

onde utilizamos

e definimos

Logo,

e, portanto,

Notemos que se não tivéssemos modificado a equação original e, portanto, equivalentemente tomado a integral acima não convergiria e não poderíamos encontrar uma função de Green pelo presente método. No entanto, a função de Green, no caso modificado, fica

ou ainda,

Em coordenadas polares,

Se escolhermos o eixo do espaço dos vetores de onda como sendo paralelo ao vetor , teremos

onde utilizamos a substituição . Como temos

podemos escrever

Os polos dessa integral são dados por

com dado acima, isto é,

Consideremos a integral no plano complexo:

onde o contorno é fechado sobre o semi-plano complexo superior.

Quando (veja a figura acima), temos

Quando (veja a figura acima), temos

Mas, com o contorno fechado sobre o semi-plano complexo superior,

e, portanto,

Com esses resultados, podemos concluir que

e, portanto,

Assim, também temos

Há, portanto, duas soluções possíveis para o problema:

Para os campos eletromagnéticos especificamente de distribuições de cargas e correntes dadas, sendo esses campos nulos no caso de termos as fontes também nulas, entendemos que esses campos são causados pelas fontes. Nesse caso, utilizaremos as soluções retardadas e não as avançadas, isto é,

e

Música desta postagem: Nocturne in B flat minor Op.9 No.1 de Frédéric Chopin, por Richard Anatone

Recomendo também a leitura das postagens a seguir:

Baixe sua versão em PDF!

Estou disponibilizando aqui, para você baixar, a versão em PDF desta postagem.
Basta se inscrever em Nerdyard com nome e email; o link para o seu download aparecerá logo após você enviar seus dados.



Inscrevendo-se, você receberá informações sobre novas postagens e outros eventos!
Se você já tinha feito sua inscrição em Nerdyard, grato deveras por retornar!

😎

Gostou desta postagem? Então clique no botão abaixo e siga o Nerdyard no Twitter! Toda vez que houver uma nova postagem aqui, você saberá imediatamente! :cool:

Siga Nerdyard no Twitter

Nerdyard

9 respostas para “Função de Green para a equação de onda”

  1. Três coisas:

    1. Falta o na primeira linha da equação logo abaixo de “Em coordenadas polares,”. Na segunda linha ele aparece corretamente.

    2. A função de Green continuou sendo chamada de mesmo depois de fazer .

    3. Usar a transformada de Laplace em vez da de Fourier na variável temporal evita ter que usar esses , mas faz com que a solução avançada desapareça.

  2. Bom dia, prof. Reginaldo.

    Na passagem do texto

    “…onde utilizamos a substituição . Como temos
    “,

    acredito que falta um sinal negativo na integral descrita, de modo que escrevemos:

    Obrigado.

  3. Olá Diego,
    Grato deveras pelo seu comentário. Já corrigi o texto na postagem e no arquivo em PDF. Valeu mesmo!

  4. Boa noite, prof. Reginaldo.

    Na passagem do texto

    “… e portanto …

    …” ,

    acredito que não há mais o termo no argumento entre parênteses da exponencial, que já foi colocado em evidência na passagem anterior, ou seja, teremos a expressão:

    Obrigado.

  5. Olá !

    Acredito que a primeira trasformada de Fourier que o Sr. faz para o G está com o sinal do trocado, o que torna ela uma transfomada inverça. E a consequência disto é que com o sinal de menos a equação de Helmholtz fica com o sinal trocado.

  6. Olá Tiago,
    Grato deveras pelo seu comentário!
    Você pode definir a transformada com o sinal de mais ou de menos e, assim mesmo, a equação fica com o mesmo sinal. Como você tem a derivada temporal de segunda ordem, você deve derivar duas vezes com relação ao tempo. Na primeira, a exponencial fica multiplicada por Quando você deriva a segunda vez, você fica com outro fator isto é, multiplicando com o primeiro, você fica com o fator multiplicando O sinal de menos ao quadrado cancela, o que significa que se tivéssemos definido a transformada com o sinal de mais, teríamos, após tomar duas derivadas temporais, obtido o mesmo resultado.
    Espero que agora esse fato esteja mais claro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *