Equações da hidrodinâmica

Equação de continuidade

Um fluido em movimento tem, em cada ponto, uma velocidade que pode mudar como função do tempo. Esse campo de velocidades em pontos distintos pode ter valores diferentes em um mesmo instante de tempo. O campo de velocidades é representado por vetores em cada ponto do fluido, em cada instante No entanto, a massa do fluido é sempre conservada em todo ponto. Uma forma de expressar essa conservação de massa é através da equação de continuidade. Vamos deduzi-la. Seja uma região do fluido. Se há variação de massa no interior de então é porque a massa entra ou sai dessa região. Pelo elemento de área da figura abaixo, durante um intervalo de tempo uma massa de fluido sai da região

Equação de continuidade

O volume ocupado pela quantidade de fluido de massa é dado pela área da base multiplicada pela altura, que é Mas,

onde é a normal externa à superfície fechada que é a fronteira da região Com essas observações, podemos escrever:

onde é a densidade do fluido. A massa no interior da região é dada por

onde é um elemento de volume da região A variação dessa massa durante o intervalo de tempo deve ser igual à soma de todas as massas que saem de por cada elemento de superfície isto é,

onde o sinal de menos diz que quando sai de então a massa em diminui, ou seja, é negativa. Note que se a velocidade do fluido fizer um ângulo maior do que com a normal então entrará no volume e o sinal de menos na frente da integral, para o particular elemento de área onde entra em será cancelado pelo sinal de menos que vem do produto escalar porque é negativo para maior do que Agora podemos dividir ambos os membros da equação

por e obter

que é chamada de equação de continuidade. Essa equação expressa a conservação da massa no fluido e é sempre válida para todo tipo de fluido. A equação de continuidade também pode ser expressa assim:

já que a massa no interior de é dada por

Forças em um fluido em movimento

Um fluido típico, como a água ou o mel, é viscoso, embora a água tenha viscosidade bem menor do que a do mel. A viscosidade decorre de forças dissipativas, isto é, de atrito, entre uma camada do fluido em movimento relativo a outra camada adjacente, dissipando energia. A viscosidade acaba fazendo com que apareçam forças tangenciais sobre superfícies de elementos do fluido, além da pressão, que é normal a essas superfícies. Aqui vou desprezar a viscosidade e tratar o que usualmente é chamado de fluido ideal. Nesse caso, podemos ignorar forças dissipativas e forças superficiais aos elementos do fluido. Assim, sobre um elemento de fluido ideal só agem forças volumétricas externas, como a gravitacional, e pressões sobre suas superfícies do elemento. A figura abaixo mostra um elemento do fluido ideal e as forças que agem sobre ele.

Segunda lei de Newton para fluido ideal

Agora, ao invés da condição de equilíbrio, utilizamos a segunda lei de Newton e, ao longo do eixo por exemplo, escrevemos:

onde é a pressão do elemento de fluido, é sua densidade de massa, é a componente da aceleração do elemento de fluido e é sua massa. Dividindo tudo pelo volume e tomando o limite em que e vão a zero, resulta na equação:

isto é,

já que

Repetindo o raciocínio para os eixos e dá também:

e

Logo, em notação vetorial, escrevemos:

Quando a força externa for conservativa, isto é, existe uma densidade de energia potencial tal que

então podemos escrever

No caso da força gravitacional perto da superfície da Terra,

onde é uma constante arbitrária e é a coordenada vertical. Então, a equação de movimento para o fluido fica

e a constante não precisa aparecer, já que seu gradiente é nulo, isto é,

Veja que quando o fluido está em equilíbrio, a aceleração deve ser nula, já que a força resultante é nula no equilíbrio e, portanto, a anulação da aceleração segue da segunda lei de Newton. Nesse caso, encontramos que a equação de movimento do fluido ideal,

resulta na condição de equilíbrio:

isto é,

como obtivemos anteriormente.

A equação de Bernoulli

Em um fluido em regime estacionário, a velocidade em cada ponto não depende do tempo, isto é, Aqui vou considerar um fluido incompressível ideal em movimento, no regime estacionário. Em um fluido assim, o campo de velocidades forma linhas de campo que não se cruzam jamais. Essas linhas de campo de velocidades são chamadas de linhas de corrente. Se imaginamos uma curva fechada no fluido, todas as linhas de corrente que cruzam a curva fechada, porque não se cruzam, formam um tubo de corrente. A figura abaixo mostra um tubo de corrente que quando é fino o suficiente chama-se filete de corrente.

Equação de BernoulliAs linhas de corrente em um fluido estacionário não se cruzam porque, caso se cruzassem em um ponto, nesse ponto, no mesmo instante de tempo, teríamos duas velocidades distintas do campo; mas, em cada ponto somente temos uma partícula do fluido e, portanto, somente uma velocidade da partícula, que é a velocidade do fluido no ponto. Olhando a figura, vemos que há uma quantidade de massa que atravessa a área do filete de corrente durante o intervalo de tempo e caminha até a área Como o fluido é incompressível, a mesma quantidade de massa atravessa a área durante o intervalo de tempo Em a velocidade é e, em a velocidade é e, portanto, há trabalho realizado pelas forças que agem sobre o fluido durante esse intervalo de tempo A variação da energia cinética dá esse trabalho:

As forças que agem sobre o segmento de filete de corrente mostrado na figura são a gravitacional e as forças de pressão que o restante de fluido faz sobre as áreas e Assim, o trabalho da força gravitacional, é, como vimos, a diferença entre a energia potencial em torno de e a energia potencial gravitacional na região de Então,

O trabalho das forças de pressão, é dado pela força multiplicada pelo deslocamento com sinal positivo, já que o deslocamento é ao longo do sentido da força, menos a força multiplicada pelo deslocamento onde o sinal de menos se deve ao fato de que essa força tem sentido contrário ao deslocamento. Assim,

Note que é o volume da região ocupada por em torno de e é o volume de na região de Como o fluido é incompressível, sua densidade é em todos os pontos que ocupa e, portanto,

Então,

Como

segue que

isto é,

ou seja,

Rearranjando os termos podemos ainda escrever essa equação assim:

Como as regiões de e são quaisquer áreas transversais do filete, segue que, em qualquer filete de corrente,

onde é uma constante ao longo do filete. Essa é a chamada equação de Bernoulli.

Gostou desta postagem? Então clique no botão abaixo e siga o Nerdyard no Twitter! Toda vez que houver uma nova postagem aqui, você saberá imediatamente! :cool:

Siga Nerdyard no Twitter

Melhor ainda: inscreva-se em Nerdyard e receba, por e-mail, o aviso com links para cada nova postagem ou novidade.

Google Groups
Inscreva-se em Nerdyard
Melhor email:
Visite este grupo

NOTE QUE EU ODEIO SPAM COM TODA CONVICÇÃO! :cool:

Dessa forma, não se preocupe: eu juro que jamais fornecerei seu endereço de e-mail ou qualquer outra informação sobre você para ninguém!

Clip to Evernote

2 Comments for Equações da hidrodinâmica

  1. Pericles said,

    agosto 24, 2010 @ 9:30

    Um agradecimento pela excelente lição.
    Estou acompanhando os posts diariamente.
    E desculpe-me por aquela pergunta doutro dia.
    Adeus. Tenha um bom dia.

  2. reginaldo said,

    agosto 25, 2010 @ 15:41

    Olá Péricles,
    Eu é que agradeço pelos seus comentários. Sua pergunta foi muito boa porque através dela pude expressar meu ponto de vista a respeito do http://nerdyard.com.
    Grato deveras mais uma vez e um abraço,
    reginaldo

RSS comments feed· TrackBack URI Equações da hidrodinâmica

Deixe um comentário for Equações da hidrodinâmica

Editor de Equações (www.codecogs.com/latex/eqneditor.php)

Para entender como utilizar esse editor de equações, clique aqui.