A Condutividade Elétrica

Audio clip: Adobe Flash Player (version 9 or above) is required to play this audio clip. Download the latest version here. You also need to have JavaScript enabled in your browser.

No modelo de dispersão da luz em meios materiais de Drude-Lorentz, calculamos a susceptibilidade elétrica complexa, considerando a resposta dos elétrons do tipo por molécula, em um meio com moléculas por unidade de volume, onde a constante de amortecimento para os elétrons do tipo é e a frequência de ressonância para esse tipo é escrita , na presença de uma onda eletromagnética monocromática de frequência .

O resultado escreve-se

onde a soma é sobre os diferentes tipos de elétrons em cada molécula. Agora, vamos supor que haja um certo número de elétrons livres por unidade de volume do meio material. Também vamos supor que esses elétrons livres estejam distribuídos uniformemente pelo material e, portanto, para cada molécula, haverá

elétrons livres, já que é o número de moléculas por unidade de volume. Dessa forma, para incluirmos esses elétrons livres no modelo, vamos modificar a susceptibilidade complexa acima de forma a termos

onde, para elétrons livres,

e a constante de amortecimento é escrita como . Para um meio não magnético, isto é, com

a Lei de Ampère-Maxwell é escrita como

onde, segundo o modelo que estamos adotando, o campo deslocamento elétrico complexo é dado por

com

Assim,

Concluímos, portanto, que quando há elétrons do material que podem se mover livremente, a densidade de corrente adquire uma contribuição proporcional ao campo elétrico, cuja constante de proporcionalidade é dada por

Esse tipo de material é chamado ôhmico e a densidade de corrente produzida pela presença do campo elétrico é dada pela Lei de Ohm:

No modelo que estamos considerando, a condutividade elétrica, para frequências suficientemente baixas, fica

essencialmente real e, portanto, em fase com o campo elétrico. Para o cobre, por exemplo, com uma condutividade da ordem de e átomos/, obtemos . Supondo apenas um elétron livre por molécula, essa pequena análise mostra que a condutividade pode ser considerada essencialmente real para frequências abaixo de cerca de (microondas, por exemplo).

😎

Música desta postagem: Indian Diary de Ferrucio Busoni, por Mauro Bertoli

Recomendo também a leitura das postagens a seguir:

Uma versão em PDF

Gostou desta postagem? Então clique no botão abaixo e siga o Nerdyard no Twitter! Toda vez que houver uma nova postagem aqui, você saberá imediatamente! :cool:

Siga Nerdyard no Twitter

Melhor ainda: inscreva-se em Nerdyard e receba, por e-mail, o aviso com links para cada nova postagem ou novidade.

Google Groups
Inscreva-se em Nerdyard
Melhor email:
Visite este grupo

NOTE QUE EU ODEIO SPAM COM TODA CONVICÇÃO! :cool:

Dessa forma, não se preocupe: eu juro que jamais fornecerei seu endereço de e-mail ou qualquer outra informação sobre você para ninguém!

Clip to Evernote

1 Comentário for A Condutividade Elétrica

  1. » Frequência de Plasma | Nerdyard | Eletromagnetismo, Mecânica Quântica, Econofísica, História da Ciência said,

    julho 5, 2010 @ 17:49

    […] mencionar a razão de chamarmos essa quantidade de frequência de plasma. Para um meio condutor, a susceptibilidade elétrica complexa […]

RSS comments feed· TrackBack URI A Condutividade Elétrica

Deixe um comentário for A Condutividade Elétrica

Editor de Equações (www.codecogs.com/latex/eqneditor.php)

Para entender como utilizar esse editor de equações, clique aqui.